Prefácio


Uma vez ouvi, acho que de dona Domingas, que um suicida é tão covarde quanto corajoso ao tirar a própria vida. Acho que ela tinha razão.
Só agora, depois de todos esses meses, percebo que minha atitude também pode ser considerada um suicídio. Não, não estou morta, mas fui covarde o suficiente para fugir da vida que tinha, e tive coragem em demasia (ou seria simplesmente medo?) para pegar o primeiro ônibus que saísse da rodoviária, sem querer saber seu destino.
E o que acontece pós-suicídio? Um suicida não-morto, como eu, pode voltar atrás? Então me pergunto se gostaria de voltar. Não. Por quê? Talvez ainda seja covarde demais para voltar a viver de onde parei.


3 comentários:

Erica Ferro disse...

Ah, esse já tinha lido!

Concordo. Os suicidas são os dois lados da moeda: covardes e corajosos. Covardes por não ter coragem (ou seria força?) o suficiente de encarar o que há para ser encarado. Corajosos porque nem todo mundo tem desprendimento o suficiente para dar cabo da própria vida. É preciso ser muito destemido e desprendido para isso. Muito mesmo. Ou a dor precisa ser muito grande. Ou sei lá. Não sei, só sei que não cabe a mim julgar a força e a coragem de ninguém.

Carolina disse...

Oi Ana!!

Bom, não sei de onde você veio nem pra onde está indo. Mas concordo que esse tipo de escolha, de mudança radical de rumo na vida, abandonando a outra vida que se tinha pode ser um ato de covardia e coragem. Como tudo nessa vida, sempre existem dois lados. Nesse caso, que se trata de uma escolha, acho que o lado da coragem é mais forte, porque uma escolha traz como consequência diversas atitudes a serem tomadas, para que aconteçam as mudanças efetivamente. Se vc é uma morta-viva(rsrs), tem todas as opções de escolha possíveis e imagináveis! Tentar outras alternativas, experimentar novos caminhos é permitido a qualquer um que tem coragem de buscar o melhor. Esqueça a covardia e perca o medo de assumir suas escolhas!
:)

Gostei muito do seu cometário lá no transbordando... :D

Eu tbm escrevo em um blog bem parecido com esse, composto por 7 meninas, uma pra cada dia da semana. É o Meninas Improváveis. Aparece lá depois! Sempre rola umas discussões bacanas, assim como tô vendo que acontece aqui.

Um beijo!
:)

Pandora disse...

Não sei se existe algo mais triste que um suicida, mas o que mais chega perto deles é o povo que vive eternamente de luto, eles vivem um suicidio diário, resignado, respirando porque tem que ser, levantando porque é o jeito, lamentando ad infinito uma perda sem remédio... Não sei se é questão de covardia...

Enfim, amei Ana, breve, mas quem disse que a gente precisa escrever muito para falar muito?!?!?!